domingo, 26 de maio de 2013

coisas que gosto: De me perder...


Ontem foi um bom dia para passear e foi exactamente o que fizemos.
Lá fomos nós por entre paisagens serranas, percorrendo devagarinho estradas que pareciam só nossas. Daquelas que nos levam por entre pequenas povoações, de seus nomes curiosos, de tal modo camufladas no meio do arvoredo que acredito que, os filhos de outras terras têm obrigatoriamente que se perder para as encontrar.

E como nós gostamos disso! De nos perder propositadamente, de pedir ao gps que nos leve ao destino pelo caminho menos percorrido.

Mais do que um gosto é uma necessidade. A de recarregar baterias em locais onde a expressão da Natureza ainda é maior do que a presença do Homem.
Porque morar num apartamento deixa-nos exaustos!
Os olhos ficam sedentos de planos mais abertos, onde a linha do horizonte não seja escrita pelos telhados de outros edifícios, de cenários generosos em verde onde o paisagismo não tenha sido pensado por alguém.
Quantas vezes nos desviamos por tal estrada ou caminho, só para passar por um prado, um retalho de terra intocado.

A maior recompensa destas fugas é o silêncio. Entrar numa serra é deixar para trás o barulho dos vizinhos, dos carros e das motos, de quem passa nas ruas, dos equipamentos eléctricos. É renovar a paciência para tudo isto quando já não resta nem uma grama de boa vontade para com os outros.

Quando todos os sinais de existência de outras pessoas são exasperantes, o melhor remédio é perdermo-nos.