quinta-feira, 9 de maio de 2013

O choque eléctrico


Hoje o meu dia começou mais cedo que o costume. Quando tocou o primeiro alarme do telemóvel em jeito de despertador, já eu estava à espera que me atendessem numa sucursal da Edp.

Parti de casa bem cedinho, com uma pasta onde levava facturas actuais, antigas, alguns documentos, um bloco de notas e até uma calculadora. Porque quando vou à guerra gosto de ir preparada.

É que ontem, ao olhar para a factura da electricidade ia-nos dando a travadinha. Primeiro, a sensação de incredulidade que se tem ao olhar para o valor cobrado, uma exorbitância!
O verdadeiro choque eléctrico fez-se sentir após uma minuciosa análise da factura - uma das parcelas, referente a um período de somente cinco dias, acusava um consumo energético superior ao que gastamos em dois meses!


Em minutos, passámos de atónitos a pensativos - mas que raio andámos a fazer nessa semana?!
E a conclusão foi, nada. Nada de diferente, nada que justificasse algo assim.
É que para consumir aquelas centenas de kilowatts em cinco dias teria que se ter passado algo de extraordinário por aqui - no mínimo uma rave com um grandioso espectáculo de luz e som e, não posso dizer que tal tenha ocorrido.

A seguir, vem a indignação. Sim, porque somos daquelas pessoas que teimam em cultivar, na medida do possível, (que isto é uma casa de família e não um mosteiro franciscano), a nossa versão de equilíbrio entre conforto e consciência económica e ambiental.

Sempre tivemos a preocupação de escolher electrodomésticos com uma elevada eficiência energética, usamos lâmpadas economizadoras, temos os equipamentos ligados a tomadas múltiplas com botão de corte de corrente, e todas as noites, temos o cuidado de as desligar para evitar os consumos escondidos dos aparelhos. Não temos equipamento de ar condicionado, e só recorremos a aquecedores ou ventoínhas quando se torna desagradável não o fazer, sempre que possível lavo a roupa a 40º, e não tenho feitio para ocupar serões a passar a ferro. Não temos o hábito de ter tudo ligado ao mesmo tempo - ou está a ser usado, ou então, desliga-se.
Temos todos estes cuidados, e ainda outros, e é natural que nos indigne receber uma factura assim.

Fomos logo comparar com o valor do contador e lá estavam, todos aqueles watts como consumidos. O que não pode mesmo ser!
Encontrei através do google, várias queixas sobre contadores traidores, inimigos da sua família, que por defeito originavam facturas astronómicas. Com a simples troca de contador, várias pessoas viram a sua conta da luz passar para menos de metade, sem qualquer restrição da sua parte no uso dos equipamentos da sua casa.

Desde ontem à noite que andamos lunáticos em volta do contador. Hoje já fui espreitá-lo uma meia dúzia de vezes, a ver se o apanho com a boca na botija.
Na realidade, ontem fizemos um teste. Entre a hora do jantar e hoje de manhã, intervalo em que agimos de forma exactamente igual a todas as outras noites, gastámos 2 kw. Experiência que comuniquei à comercial que me atendeu.
Pois é, se numa noite normal gastamos 2kw, expliquem-me então como se justifica um dispêndio de sessenta vezes mais.

Ficou o diagnóstico do contador marcado para amanhã. A ver vamos o que isto vai dar...