quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Coisas de pensar: Sintra precisa mesmo de mais um Centro Comercial?





Há notícia de que a construção de mais um Centro Comercial em Sintra foi aprovada. Será um Jumbo, localizado junto ao nó de Mem Martins no IC 19, quase em em frente ao Fórum Sintra, que abriu portas em 2011. Por sua vez, este fica encostado ao Retail Park.


Podem ler mais aqui.


Eu cá sou totalmente contra e ficam aqui os meus argumentos.




- Há quem argumente ser contra esta construção numa perspectiva de defesa do pequeno comércio / comércio tradicional do Concelho. Esse não é o propriamente o meu argumento.
Acredito que é possível a existência harmoniosa entre ambos os modelos.


Enquanto consumidora e de acordo com a minha própria experiência, a coexistência de comércio de rua e de Centros Comerciais trazem um acréscimo à qualidade de vida do cidadão, desde que se encontre o ponto óptimo de equilíbrio.


Acho que ambos são essenciais para uma vida com qualidade. Pessoalmente encontro boas razões para ser cliente tanto do comércio local tradicional como da oferta inserida em shoppings, e não consigo imaginar-me a abdicar de um destes modelos.


Quando eu era pequenina, há coisa de trinta anos atrás, na aldeia onde cresci só havia uma mercearia.
Se as pessoas queriam fazer compras dentro da própria localidade, sem terem que recorrer ao mercado de Sintra ou ao Jumbo de Cascais, não tinham outra hipótese.
Como é óbvio, essa mercearia prosperou e transformou-se num supermercado.
Nada de errado nisso, pelo contrário, excepto que não há comerciante, (grande ou pequeno), que não fique meio destrambelhado quando detém o monopólio de qualquer coisa, com aquela certeza de poder fazer o que lhe dá na telha sem sofrer consequências, e quem sofre é inevitavelmente o consumidor pela adopção de práticas menos boas.


Depois em 1991 foi inaugurado o Cascaishopping, e aumentou exponencialmente a qualidade de vida de muita gente, de várias zonas circundantes.


Hoje não faltam Centros Comerciais por tudo o que é sítio, mas naquela época o Cascaishopping foi pioneiro.
Será difícil fazer chegar às gerações mais novas a tradução fiel da sensação que foi passar de um ambiente com pouco comércio local, quase nulo em variedade, para um espaço enorme com hipermercado, e muitas lojas de tudo e mais um par de botas, algumas grandiosas que ficam na memória como a Printemps que ocupava vários andares. Ah, e até poder ir ao cinema com os amigos! Que diferença!




Hoje os Centros Comerciais brotam do chão como cogumelos, são mais que muitos, e acho que já atingimos o ponto de saturação em que é fundamental dizer "já chega".
Basicamente estes espaços de comércio são clones uns dos outros, não trazem nada de novo. As lojas são praticamente as mesmas. Muda a marca do hipermercado, uns são Continente, outros Pingo Doce, Corte Inglés, Jumbo ou whatever, mas em todos eles temos Zaras, e Mangos e afins, e mais de metade dos restaurantes servem exactamente o mesmo prato.




Acho terrivelmente estúpido e contraproducente a construção de Shoppings tão próximos uns dos outros. Um dos resultados de tal coisa é termos lojas da mesma marca a competirem pelos mesmos clientes. Não é algo absolutamente idiota?!


Defendo o modelo em que dentro de cada localidade deve reinar o pequeno comércio.
Acho fundamental, por uma questão de qualidade de vida, ambiental, económica, que toda a pessoa consiga fazer a sua vida dentro da sua localidade sem recorrer a transportes.
Onde moro existem várias lojas de comércio tradicional que convivem em harmonia com um supermercado, e observo ser um modelo que resulta na prática, porque os consumidores, eu incluída, frequentam ambos.


O "grande" Centro Comercial é necessário porque oferece outros produtos e serviços, e pelas suas características e dimensão, deve localizar-se num ponto em que sirva um número considerável de localidades, bastando um só nessa posição geográfica.




- Dizem que este Jumbo vai ocupar cerca de 17000 m2. E eu, absolutamente contra este empreendimento, digo que nem só de Centros Comerciais vive o Homem.


Nas proximidades existe uma Decathlon e quantas vezes já me deparei com famílias que aparentemente usam a loja como espaço de diversão. Se por um lado é engraçado e até salutar uma loja onde as crianças se sentem à vontade para experimentarem bicicletas, bolas e tudo o resto, é muito triste que o façam por falta de alternativa.


A IC 19 é a "estrada mais movimentada da Europa", Sintra o segundo município mais populoso de Portugal.
Não teria mais lógica usar esses 17000 m2 para construir um espaço verde, um pulmão para limpar o ar da estrada mais congestionada, e para servir a imensa população do município que tanto sofre, (em especial na zona da linha de Sintra que é um exemplo de péssimo urbanismo, de betão sobre betão), com falta de espaços verdes adequados ao convívio, à prática desportiva, aos momentos de lazer, etc?