quarta-feira, 5 de novembro de 2014

cromices #54: Da infalibilidade da Lei de Murphy





Um dos principais corolários de Murphy, dita tão simplesmente que "se existe a probabilidade de algo correr mal, essa mesma probabilidade se tornará numa certeza."


E quem é que já não sentiu o efeito do caos na sua vida que o levasse a pensar que, afinal este engenheiro aeroespacial, de seu nome Edward Murphy, é que a sabia toda?!


Se se quiserem rir um pouco com os diversos adágios da Lei de Murphy, é ir aqui, ao último parágrafo.




Ao longo da vida já passei pelas mais diversas situações, que me tornaram uma crente nesta filosofia.


O corolário que eu acrescentaria à longa lista já existente, seria algo tipo "se não te sabes rir de ti mesmo, a vida tratará disso."




Das várias situações possíveis que poderia utilizar para ilustrar a presença, mais ou menos constante, de Murphy na minha vida, escolho esta:




Há anos, num certo dia em que íamos receber visitas em casa, (e que naturalmente houve a preocupação de ter tudo muito arrumadinho), no curto espaço de tempo em que nos tivemos de ausentar para ir comprar uma coisa qualquer, (pouco tempo antes da sua chegada), um dos nossos gatos, (o Zeus), teve um ataque súbito e descomunal de... diarreia.


O pobre do bicho bem foi aliviar-se à caixa de areia, onde é suposto fazê-lo. O grande mal residiu no facto dos gatos terem a mania de dar com as patas no areão, para cobrir os dejectos. Ao fazê-lo, o Zeus não cobriu dejecto algum. O gesto apenas serviu para sujar as patas e fazer voar o "produto", tipo o que acontece quando se mete algo numa liquidificadora a trabalhar sem tampa.


Quando chegámos deu-nos um treco! Havia impressões de patinhas por todo o chão, porcaria na zona em redor do wc felino.
Contudo, não havia mesmo tempo para perder com chiliques.
E, tudo ficou normalizado, casa e gato limpos, nem um segundo antes de tocarem à campaínha.