segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

cromices #62: Garanto que tinha sucesso!



Espanta-me que a internet traga soluções para tudo. Existem sites e app's especializadas em tudo e mais um alho, algoritmos mágicos para encontrar o tal emprego, a cara metade, o alojamento perfeito para as férias, a peça de roupa ou o corte de cabelo que assentam mesmo bem, etc.

Espanta-me ainda mais que não tenham pensado em aplicar esta alquimia algorítmica ao universo dos condomínios e vizinhança. É que tinha futuro e ainda se habilitavam a serem nomeados para o Nobel da Paz.

Ora tenham a gentileza de acompanhar este meu raciocínio:

Uma pessoa compra ou aluga uma casa e, em termos de vizinhos, não sabe ao que vai. E isso é receita garantida para que a coisa corra mal, asseguro-vos eu.
Sublinho que em tudo se aplica a lei da reciprocidade, também quem já lá estava não sabe quem lá vem.

É claro que "mal" é um conceito demasiado vago, há todo um degradé da coisa, que vai do "mal que mal se nota", o grau 1,  ao "inferno na terra", o grau 10 (vamos manter as coisas simples).

Eu diria que me encontro, conforme os dias, numa variação entre o grau 2 - "mal menor" e, vá lá o sexto nível, que já causa arritmias ligeiras e cabelos brancos, o que dá uma média aceitável, ao nível do Cândido de Voltaire, em que ainda nos vamos conseguindo convencer que, se olharmos para a floresta e não focarmos nas árvores, somos uns sortudos. Que poderia ser bem pior, e que "vivemos no melhor dos mundos possíveis".

Basicamente são mecanismos do cérebro humano que nos fazem crer nessa linha prateada em todas as coisas. Uma espécie de ferramenta biológica para a adaptação e a sobrevivência, que impede que caiamos que nem tordos de ataque cardíaco fulminante ao mínimo contratempo.

Ora se alguém se desse ao trabalho de desenvolver o tal site ou aplicação, a coisa seria bem melhor, acredito.

Imaginem a cena: Agente imobiliário acompanha casal a visitar um apartamento. Durante a visita, falam-se não só de tipologias, acabamentos e preços mas também do perfil da vizinhança.

- Olhe, o tipo de pessoas que aqui vivem são moderamente anais, têm um elevado grau de responsabilidade, logo pagam o condomínio a tempo e horas, (saca do powerpoint com gráficos sobre pagamentos de condomínio e presenças em reuniões referentes a cada fracção). A média do grupo em termos de quociente de inteligência emocional é bastante razoável. Poderia ser mais elevada não fossem as tendências passivo-agressivas do vizinho do apartamento X, e o gosto pela cusquice do casal do Y.
É um grupo que prefere actividades diurnas, logo não se esperam farras pela noite dentro. Quando questionados sob polígrafo, não há ninguém que use saltos altos em casa, que atire beatas pela janela ou pendure a roupa a pingar.

Ah, vejo aqui as suas indicações... Estejam descansados, segundo o grupo de perguntas sobre gostos pessoais ninguém escolheu música pimba. Se vos acordarem é mais provável que seja ao som de Foo Fighters ou Mozart do que de Dino Meira ou algum dos Carreira. E gostam de animais.