sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

cromices #63: a bela música que vem dos canos!



Somos uns privilegiados: quando queremos água é só abrir a torneira.

E o gesto é tão reflexo, automático, que aposto que é coisa rara qualquer um de nós pensar no quão somos realmente uns privilegiados por isso.

Até ao momento em que falta a água, como hoje. Momentos que volta e meia têm que acontecer porque existem contratempos, manutenção que tem que ser feita, mas que nos apanham sempre de surpresa.

E dou por mim a maldizer a louça por lavar, a aguentar sem ir ao wc até ao inevitável momento em que parece que a bexiga vai rebentar, a fazer render a água que ainda existe no autoclismo, a lavar as mãos naquele fiozinho de água tão estreito que por sorte ainda escorre da torneira.

Até que de repente se ouve uma sinfonia nos canos, sinal que a água voltou. É uma melodia desarmónica, mas soa tão bem!