terça-feira, 14 de abril de 2015

vida de cão #20: Sou a única "dona de cão" a sentir a falta disto?



Pergunto-vos.

Antes de mais, o que é "isto" que me traz hoje aqui? Em menos de nada, a resposta. Já já a seguir a mais um cafézinho, que sinto o depósito desta minha frágil maquineta a entrar na reserva.



Ah, muito melhor! (Sabiam que hoje é dia do café?)
Ok, vamos então desenrolar este novelo que me vai na cabeça...


Eu retiro dos passeios com o Kiko somente uma fracção do prazer que poderia e é suposto retirar.
Eu sei que em parte se deve à minha incapacidade de descontrair, mas nem tudo se deve a isso e muitas vezes essa incapacidade não é vã de motivos.

Pois imaginem-me com o meu puto pela trela, com uma atenção desmesurada aos pedaços de chão que ele vai pisando, a scannear com os olhos todos os metros quadrados de relva, calçada ou alcatrão. A fazê-lo desviar-se dos dejectos caninos, dos mil e quinhentos bocados e bocadinhos de lixo "humano", a ter que lhe dar outros mil puxões na trela para evitar que ele abocanhe de tudo, desde beatas, pastilhas elásticas, papéis vários, plásticos, parafusos e outras parafernálias, vidrinhos...
(E não é que as ruas que palmilho sejam extraordinariamente sujas. São iguais às de todos os outros locais.)

A escolher o itinerário das passeatas, que tantas vezes é ditado pelo facto de ter que evitar determinada rua por estar alguém a passear um cão sem trela. E estes são sempre tão maiores e mais brutos que o Kiko.
Ou ainda porque em determinada casa, a vedação é demasiado baixa e passar por lá significa ficar com a cabeçorra de um cão agressivo e irrequieto a uma distância que não nos deixa, a nenhum de nós os dois, minimamente confortáveis.

A vociferar em voz alta coisas tremendamente mal educadas de cada vez que tenho que meter os dedos na boca do miúdo para que este não engula algo que passou despercebido, apesar de toda a minha atenção.
Como hoje, consegui apanhar a tempo um pedaço de vidro, castanho, muito provavelmente de uma garrafa de cerveja, que por sorte não era cortante. E lá começo eu a soltar dizeres indignos, nada mas nada simpáticos e completamente contrários ao espírito cristão que fomos ensinados ter para com as demais pessoas com quem partilhamos este planeta.

Agora que vos servi o contexto, já vos posso revelar qual a coisa que me faz uma falta tremenda enquanto "dona de um cão":

- Um espaço bem vedado, limpo, com relva ou ervas que não fossem de forma alguma tóxicas ou nocivas, onde pudesse soltar o Kiko e deixá-lo cheirar, correr, brincar a seu bel prazer, sem qualquer preocupação.

Houvesse um espaço assim, (que eu baptizaria de Paz de Espírito), e estaria disposta até a pagar uma quota, (dentro de valores razoáveis, obviamente), para usufruirmos deste.

Há por aí tanto terreno vazio, sem propósito, abandonado. Não haverá nenhum proprietário que se chegue à frente com algo assim?