quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Vida de cão #34: Trabalho de equipa é...



... usar as nossas qualidades para colmatar os defeitos do outro, num regime de solidariedade, parceria e reciprocidade.

Saber disso é reconhecer, dar valor. É sentir gratidão e uma vontade de retribuir.

E eu que continuo incapaz de deixar o Kiko socializar com outros cães quando saímos só os dois, ou de lhe tirar a trela, mesmo que a minha vida dependesse disso, de tão nervosa que fico, sou imensamente grata ao meu marido por providenciar ao petiz tudo aquilo que eu não sou capaz. E por isso nada lhe falta, nem o êxtase das sessões de brincadeira e correria com outros cães, que é tão importante também pelo prazer que lhe dá.

Quando regressam, descontraio e ouço com satisfação o relato das diabruras, quem conheceram, com quem brincou. Rimo-nos os três. Digo os três, porque o cão olha para nós com um daqueles sorrisos caninos bem abertos que não se desmancha e lhe dá um ar ainda mais tonto. Tonto de felicidade.

Se confesso, meio cabisbaixa, que não sou capaz de fazer o que ele faz, que gostaria mas não sou, a única coisa que me aponta é aquilo que faço bem.