quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

cromices #97: Em defesa das meias e dos pijamas



Estava mesmo agora a deambular pelo Facebook, quando ao levar com mais uma peça da publicidade da praxe, fiquei a matutar.
A marca, bem conhecida pelos tablets e afins, optou por ser mais uma a deitar abaixo as pobres das meias e dos pijamas enquanto presentes de Natal. E eu fiquei a pensar que se não fosse eu a vir em defesa destes menosprezados itens, destes pobres mal-entendidos e pouco apreciados, ninguém o faria.

Sim, já todos fomos miúdos e torcemos, de forma mais ou menos descarada, o nariz, quando nos chegava às mãos o embrulho que, pelo volume e toque, reconhecíamos já ser uns pares de meias, ou algo dessa estirpe.
Quase em todas as vezes seria um presente vindo de mãos idosas.

Crianças são crianças, é verdade. Há que dar um desconto, pois é. Mas mesmo qualquer miúdo que não aprenda a sorrir e a agradecer com dois beijinhos à tia-avó pelas "maravilhosas" peúgas não merece mais que um calduço bem pregado e engasgar-se com a fava do bolo-rei.

Só anos mais tarde, e mesmo assim a "iluminação" não chega a todos, é que os miúdos se aperceberão do valor do pacote de meias ou do pijama. Aprenderão alguns que a vida custa, que o dinheiro é caro, que as reformas são para a grande maioria, parcas. E darão então redobrado valor às belas das peúgas. Se não derem, desculpem lá a frontalidade, são uns merdas. Aí desejo que vos calhe um brinde bem pontiagudo no bolo-rei, que o engulam, e que passem pela dor de ter de o largar pelo outro extremo.

Para contrariar as tendências, eu gosto que me ofereçam meias e pijamas. Gosto mesmo.
Não sou muito consumista, basta-me o gesto. E se é para gastar dinheiro, por pouco que seja, prefiro que invistam numa coisa útil que realmente acabe por usar, como meias e pijamas.
Para além que existem modelos bem giros e confortáveis! E se forem de produção nacional, melhor ainda.

Para mim há presentes muito, mas muito piores, como bibelots e tarecos que só servem para ganhar pó algures, ou ainda aqueles perfumes baratos de supermercado que tresandam a álcool, chocolates com recheio de licor simplesmente porque não gosto e nem lhes toco, ou uma garrafa de uma qualquer bebida alcoólica tão má que nem sirva para molhos e marinadas na cozinha.