segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Do registo onírico #2


Um sonho em versão "filme de animação":

Ponto de vista lá em cima, como se a câmara apontasse para a coroa da cabeça da personagem. Ela, uma mulher de cabelos longos vermelhos, dança rodopiando. Do tal ponto de vista vejo os cabelos e os braços que se movem de uma diferente perspectiva. Parece uma mandala em movimento.
Movimento contínuo: o ponto de vista, nunca deixando de observar a personagem, move-se até a vermos olhos nos olhos. Ela vai rejuvenescendo.
Quando pára de rodopiar é uma criança ruiva, ainda de cabelos longos. Reparo que estamos no alpendre de uma casa, num dia bonito de céu limpo. A miúda corre para os braços da mãe.
Sempre movimento contínuo: até chegar aos braços da mãe a miúda vai sempre rejuvenescendo. Quando alcança o seu colo está naquela idade em que mal se dão os primeiros passos. A mãe senta-se numa cadeira de baloiço. O bébé vai diminuindo de tamanho. Num passe de magia não há bébé: voltou para dentro da barriga da mãe. A barriga diminui, assim como a própria mãe. Recolhe-se até não existir nada mais que um ponto negro no plano. Uma pequena e luminosa explosão dá origem a uma ave. Levanta vôo e sai do alpendre para se juntar a um bando de cegonhas no céu límpido.

Curta pausa...

Plano escuro. Não há nada.
Existem duas entidades sobre uma cama. Não se vêem, mas estão lá. Começa por aparecer somente o coração de ambas. Máquinas imóveis.
A vontade é tudo: ambos os corações começam a bater. O sangue que é bombeado é feito de luz.
As veias de dois braços são irrigadas dessa luminescência e tornam-se visíveis no breu. Dão as mãos e entrelaçam os dedos.
Pouco a pouco nota-se o contorno de dois corpos, desenhados a luz, num cada vez mais iluminado e completo sistema circulatório. Beijam-se, abraçam-se, fundem-se.
As mãos sempre entrelaçadas, os braços esticam-se e apontam para cima. Da combinação dos dois indicadores esticados sai um raio de luz em direcção ao cosmos. O céu nocturno é vasto e fértil em pontos iridescentes.