quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Falar de saúde #4: Mudar a cor dos olhos



Quando penso, por exemplo, em cirurgia plástica, dependendo de cada caso a minha opinião pode ser liberal ou conservadora.

Se por um lado acho realmente maravilhoso que existam técnicas que permitam corrigir lesões e deformidades, acho terrivelmente estúpido que existam pessoas dispostas a passar por uma intervenção cirúrgica com a maior das leviandades, esquecendo-se que existem sempre riscos e que se correr mal as consequências podem ser realmente penosas e irreversíveis.

Há dias apanhei por breves momentos durante um zapping, uma referência a uma nova intervenção cirúrgica que permitia mudar a cor dos olhos e, que estava a ter muita procura.

Garanto-vos que classificar esta nova modalidade de estúpida é o maior dos eufemismos!

Fico parva com a quantidade de pessoas dispostas a levar com um laser nos olhos, com o intuito de desgastar a camada de melanina presente, (quanto mais melanina mais escuro o olho), para saírem dali com olhos azuis ou verdes, quando o risco de cegueira é constante e bem real. Mais aqui.

Pessoalmente até acho ofensivo, enquanto míope, astigmática e amblíope, que daria tanto para ter olhos saudáveis, que exista gente disposta a correr o risco de cegar para mudar a cor dos olhos.

Juro-vos, dá-me vontade de correr tudo à chapada, a começar pelas mentes brilhantes que permitiram que tal ideia e tecnologia saísse do papel.

É verdade que gostos são gostos, mas encontrei no Google algumas imagens tipo "antes e depois" e com base na amostra que vi não gostei nada dos resultados.
Enquanto antes todos tinham um olhar único, com diferentes tonalidades de castanho, bonitos, após a intervenção exibem o mesmo tom de azul, sem nuances, pouco natural, tipo zombie, que honestamente não casa bem com todas as feições.