segunda-feira, 28 de março de 2016

100 motivos para não ter filhos #4: A mãe que eu seria, segundo o meu marido.



Após mais uma caminhada em família, em que eu tenho 50 micro avc's de cada vez que o marido solta o Kiko, podemos gozar, finalmente de uma pausa para café.

Momento que ele aproveita para o centésimo discurso sobre eu ter que aprender a descontrair, que há vários locais até bastante seguros onde posso soltar o cão e etc. O blá blá blá do costume, a que eu respondo, de forma costumeira, com um redondo e exclamativo não. Acrescento uns quantos "jamais!", "nem pensar nisso!", "comigo, é sempre com trela!", para ver se a mensagem segue suficientemente explícita e directa.

Suspira uns quantos "ah, coitadinho" e derivados, aos quais eu retribuo com "não sei qual é problema. É pela segurança dele. Aliás, se tivéssemos crianças, também andariam com trela".

(Sim, que eu sou apologista das trelas para crianças.)

"Eu sei." - diz ele. "Até aos 25."
Rimo-nos.

"És uma mãe galinha. Super protectora. Fazes-me lembrar a mãe dos Goldbergs. Tal e qual!"

"Opá! Faltam-me os chumaços e os jeans de cintura subida!"

(O pior, admito, é que ele é capaz de ter razão. Tenho "algumas" parecenças com a Beverly. Para quem não conhece esta série cómica, foi totalmente baseada na infância do autor. As personagens não são exactamente fictícias, mas retratos da sua família. Logo, a Mrs Goldberg é bem real.)