sábado, 26 de março de 2016

Antropoformização involuntária #8


Um dos inúmeros pontos em comum entre ter um bébé e um animal é, que a partir desse momento, muitas das conversas que terão com a vossa cara metade serão de teor escatológico.

Passareis a falar de cocó. Pior, passareis a ser entendidos na matéria. Falarão não só da frequência da coisa, como do aspecto e dimensão. Conhecerão os hábitos da criatura, e arranjarão nomes de código para os vários estados. O que vale é que o nojo é um estado passageiro. O ser humano adapta-se a tudo.

"Então, foi boa a voltinha?"
" Foi."
"E o menino fez cocó?"
"Dois. Primeiro saiu a rolha. Depois mais à frente fez um mais molinho. Está tratado por agora."