sábado, 5 de março de 2016

cromices #118: Hoje a culpa foi minha.


Pois é. Eu, a "senhora coisinha" com barulhos e coiso tal, hoje fui a vizinha barulhenta, a uma hora pouco santa, de tão matutina.
Pois, todos os panos ganham nódoa. A vida é mesmo assim. Mea culpa, as minhas desculpas e coiso tal.

Em minha defesa, já tinha sido torturada, antes das galinhas acordarem, com a luz do tecto, mais do que uma vez. Por mais que eu avise que existem mais candeeiros no quarto, a coisa não tende a pegar.
E como também há uma espécie de alergia em fechar a porta por parte do meu excelso marido, por mais que eu peça em todos os tons que conheço que a mantenha fechada, para que o cão não entre de rompante quarto adentro e venha saltar em cima de mim ou fazer uma qualquer judiaria, acordando-me com um sobressalto do caraças, (coisa que se repetiu por diversas vezes), a minha pessoa em estado zombie, e já a precisar de um reforço de trifene, não foi capaz de nada melhor que saltar da cama, articular uma catadupa de asneiras e fechar a porta com um imenso e incomodativo estrondo.

Mais uma vez, as minhas desculpas. A dobrar, porque uma coisa destas pede alguma vingança, e parte de mim acha que amanhã, que é dia do meu adorado marido ficar na cama pelo tempo que desejar, é uma excelente oportunidade para treinar bateria com os tachos.