segunda-feira, 9 de maio de 2016

coisas que gosto: Maravilhosa nanotecnologia!



Michio Kaku é um famoso físico teórico japonês. Considerado um dos maiores físicos teóricos da actualidade, Kaku é tão conhecido pela sua Teoria das Cordas, da qual é co-criador, como da sua paixão por sci-fi e presença em variados documentários e programas televisivos.

Ontem apanhámo-lo num divertido programa em que se propunha a desenvolver uma forma de construir um sabre de luz como os do Star Wars, que partilho convosco mais abaixo.

Uma das questões remetia-se à imensa quantidade de energia necessária para alimentar tal arma, similar à utilizada para sustentar uma pequena cidade. A segunda questão em relação à fonte de energia era a sua dimensão: o que seria capaz de produzir tamanha energia que coubesse num punho de 12,5 cm?
A resposta encontra-se na nanotecnologia.

Mais especificamente em biliões de nano cabos supercondutores, feitos de carbono, que é uma das três matérias vivas mais abundantes, em conjunto com o hidrogénio e o oxigénio. Os cientistas ainda não conhecem exactamente as razões porque nano cabos feitos de carbono de replicam tão rapidamente em laboratório.

Kaku não conseguiu materializar um sabre de luz, mas idealizou um plano para a sua construção usando tecnologias que poderão ser viáveis e aplicáveis em cinquenta anos. Quem sabe, menos.
Desde ontem que não consigo deixar de pensar nas inúmeras aplicações desta "fonte de energia".

As sociedades humanas não existem sem energia, mas o uso de combustíveis poluentes, radioactivos, tóxicos, nunca foram uma escolha sensata, nem para a nossa espécie, nem para nenhuma outra forma de vida deste planeta.

Quando a ideia expressa neste programa se materializar teremos finalmente acesso a energia limpa, quase ilimitada.
Imagino-nos a carregar uma bateria do tamanho dos cartões sd que utilizamos nos telemóveis e máquinas fotográficas, inseri-la numa qualquer ranhura de um veículo ou de casa e esta ser mais que suficiente para todos os nossos gastos energéticos, sem quaisquer emissões poluentes ou perigos para a saúde ou meio-ambiente. E, a custos mínimos, logo acessível a todas as pessoas, independentemente do país onde vivam, pois o carbono abunda no universo.