segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Vida de cão: Uma opinião sobre trelas.



As básicas de nylon são terrivelmente abrasivas para as mãos.

É importante que o mosquetão seja sempre em metal, e de boa qualidade. Ninguém precisa que a coisa se avarie ou se parte a meio de um passeio.
Igualmente importante é que as pecinhas estejam cosidas à trela e não somente coladas, pelos mesmos motivos.

As forradas a algodão ou outro material fofinho são óptimas, e giras. O único senão é que sendo lavadas à mão para não estragar o mosquetão, passado algum tempo ficam irremediavelmente feias e encardidas.

Sou alérgica a trelas retrácteis, e nunca irei optar por uma. Um dos aspectos mais chatos da socialização entre cães à trela é que, em 99% das ocasiões, as trelas vão-se emaranhar uma na outra, obrigando pelo menos um dos tutores a enfiar a mão na massa e desembaraçar aquele nó de trelas e cães irrequietos. Certinho garantido que trará, para além do bicho, um par de dedos cortados pela merda do fio da trela extensível.

A minha trela favorita até ao momento foi concebida como um acessório para a prática de desporto com o cão.
Esta acopla-se ao pulso, logo as mãos andam livres, o que me dá imenso jeito nem que seja para manusear mais livre e despreocupadamente o saquinho de apanhar dejectos. É um pormenor que também dá imenso jeito quando se está a esplanar, etc.

Outras duas características que fazem desta trela a merecedora da medalha de ouro entre todas as que já experimentámos, é o seu comprimento regulável, o facto de ser bastante macia e confortável, e ter um segmento junto à zona da coleira que funciona como amortecedor, evitando a brusquidão dos puxões.

Estou mesmo muito satisfeita com este modelo, e até me parece difícil que surja um melhor.