quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

cromices #141: Se eu abrisse um restaurante...



... seria, decididamente, um restaurante para cães.

Todos os dias, desde há cerca de 2 anos, que preparo almoço e jantar para o Kiko. Em todas as refeições ele reage como se lhe tivesse preparado o melhor maná do mundo, tal a satisfação.

Com a precisão de um relógio suíço, quando a hora da refeição se aproxima, vem-me lamber a boca, (é assim que os lobinhos pedem comida à mãe loba), fazendo uma espécie de choradinho. Segue-me até à cozinha e fica sentado no tapete onde temos as suas malgas, completamente vidrado em todos os meus movimentos.

O par de minutos em que coloco a malga no parapeito da janela, para que a comida esfrie um pouco, a excitação é tanta que as pernas lhe tremem.
Quando me vê aproximar para finalmente lhe servir a refeição, dá um par de voltinhas antes de aspirar tudo em segundos.
Já o vi comer inúmeras vezes, e continua a dar-me um prazer indescritível.
Deixa a malga impecável, sem qualquer migalha. Arrota. Vem-nos lamber as mãos, e volta para dar mais umas lambidelas na tigela. Passa os 5 minutos seguintes a lamber-se e a abanar a cauda.

Nunca cozinhei para nenhum humano que o fizesse. Que fosse tão efusivo e agradecido à "cozinheira", que nunca reclamasse ou fizesse cara feia ao que lhe aparece no prato, seja porque não lhe apetecia aquilo ou qualquer outro motivo.

O Kiko acabou de almoçar há minutos: salmão cozido com batata doce. Não há nada mais básico que peixe cozido com batatas, mas todos os dias faz-me sentir como uma finalista do masterchef.

Os cães rulam! Ponto.