segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

cromices #144: Do marketing...



Demorei anos para perceber que gosto imenso de Marketing, e não só de Publicidade.
Demorei ainda mais tempo para concluir que talvez tenha sempre gostado de Marketing, e que a minha crença anterior não teria passado de um equívoco.

Sabem, é que é muito fácil acreditar que não se gosta, neste caso, de Marketing, quando muitas empresas que supostamente procuram alguém para esta área, na realidade procuram é um pau para toda a obra, que acaba por fazer de tudo... menos Marketing.

Quando vivemos livres dessas empresas, o amor regressa.

Aqui há dias, de uma forma totalmente casual e inesperada, no meio das minhas rotineiras deambulações, regresso a casa com um contacto de uma empresa, dada em mãos pelo próprio.
"Preciso de alguém nessa área" - diz-me, em inglês.
Pergunto-lhe a área de actuação. Responde-me com o site da empresa, e pede-me que lhe envie depois o meu mail.

Chego a casa, e pesquiso a empresa. Uma simples pesquisa revelou alguns elementos. Para mim, mais revelador e determinante que qualquer informação institucional, foi a descoberta de um par de anúncios de emprego já com alguns anos.
No primeiro anúncio esta mesma empresa procurava alguém a tempo inteiro, um(a) funcionário(a) de limpeza. Até aqui tudo bem.
O problema reside na secção onde se descreve os requisitos e perfil que se procuram no candidato: tinha que ter viatura própria, conhecimentos de inglês, de informática... Ou seja, que seja pau para toda a obra, capaz de imensas coisas que excedem os conhecimentos necessários para a execução de limpezas, mas pago somente como tal, como é de prever.

Os outros anúncios não diferem muito deste.

Para mim, este tipo de anúncios dizem-me mais sobre uma empresa que qualquer outra coisa. E mal.
São o tipo de empresas, com as quais aprendi por experiência própria, que o único lugar que têm na minha vida, é na minha lista negra.
Mesmo assim, enviei o meu mail, embora não tenha obtido até ao momento qualquer resposta.

Começaria por lhe pedir uma descrição exaustiva e transparente das funções que esta pessoa imagina incutir neste alguém que procura "para o marketing". Receberia depois da minha parte uma lista de serviços a que o Marketing se presta e um preçário, uma estimativa de orçamento, e o contacto de algumas agências especializadas.
Até tenho pena de não ter recebido o tal contacto. Teria todo o gosto em lhe dar, absolutamente grátis, a lição que o trabalho paga-se condignamente, e que há que respeitar todo o especialista, seja médico, advogado, arquitecto, ou marketeer.