quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Vida de cão: Da diarreia...



Desde ontem que o Kiko anda com diarreia.
Felizmente não demonstra sinais de qualquer má disposição, nem apatia, nem perda de apetite, nem diminuição da vontade de brincar, nem alteração do consumo de água. Pronto, nada diferente do habitual, não fosse o que anda a defecar.

Ontem, como era bem cedinho, não me dei conta que ele se tinha aliviado no escritório. Voltei preocupada da nossa caminhada, porque como era possível passada toda uma noite aquele miúdo não ter vontade de fazer?!
Afinal já tinha feito. Em casa.

Antes da volta do almoço, idem. Hoje, voltou-se a repetir, tanto de manhã, como mesmo há pouco.

Nunca lhe ralho nem o castigo por fazer em casa. Pelo contrário, digo-lhe que não faz mal, que está tudo bem, e que ele é lindo.
Em primeiro lugar, porque não o faz por hábito mas somente quando se sente mal, doentinho, quando não o pode evitar.
Em segundo, porque na urgência de se aliviar que qualquer ser vivo sente durante uma diarreia, ele é incrivelmente inteligente e asseado ao escolher o chão da divisão onde menos circulamos, ao invés de o fazer em cima ou ao lado da cama, do sofá, etc.

Neste momento está a arrefecer uma canjinha de peito de frango, arroz e cenoura, que será o seu almoço, seguido de umas rodelas de banana.






quarta-feira, 9 de agosto de 2017

cromices #152: Do não sair de casa...



Em criança era muito "caseira". Lembro-me que por vezes os meus pais tinham que insistir comigo para sair de casa, nem que fosse só até à praceta para brincar com os miúdos da vizinhança.

Com a mudança de idade, especificamente quando estava em plena adolescência e nos inícios da idade adulta, a situação reverteu-se completamente. As queixas eram sobre o quão pouco parava em casa. E eu encolhia os ombros naquela do: "Afinal em que ficamos? Decidam-se!"

O meu marido costumava queixar-se que eu andava sempre a melgá-lo para sair, muitas vezes com a desculpa de ir beber um café algures, por vezes tarde e a más horas. Para me dissuadir, um dia apareceu com uma máquina de café.

Agora queixa-se que nunca quero ir a lado nenhum, que não quero sair de casa.

Confesso que desde que o Kiko entrou nas nossas vidas voltei a dar muito valor aos momentos do dia em que posso estar em casa. Porque, em minha defesa, há que dizer que na verdade saio muito de casa.
Lembro que tecnicamente, basta estar-se do lado de lá da porta para ser considerado como tal.

Ainda hoje, que me calhou a volta matinal do Kiko, cheguei às 8h da manhã com 4,5 km de caminhada feitos.
Quando for  ao supermercado aqui do burgo, mais 3km. Se incluir as voltinhas quotidianas pelas lojinhas de comércio tradicional e serviços, mais uns 3 ou 4, e é porque tenho tudo aqui ao lado.
Mais a voltinha pós almoço do miúdo, que nunca é menor que mais outros 3km.

Portanto, para alguém que supostamente não sai de casa, num dia normal, até às 18h, já conta com cerca de 14 km feitos. Excluindo todos os passinhos que damos dentro das lojas, e dentro de casa, que pensando que não eram mais uns pózinhos.

Junte-se um dos dias em que faço bingo por ter o cartão totalmente cheio, juro que não é difícil atingir ou superar a marca dos 20km. A saúde e forma física agradecem, mas se me querem convencer a sair (mais) de casa o truque reside em atraírem-me com programas que metam "pés pró ar" em cenários bonitos, muito dolce far niente, e comida.
Para alguém com a minha rotina convites para ir caminhar, ou exercer outra qualquer actividade que implique esforço físico, ou que seja basicamente passear o cão num cenário diferente, é meh.

Não é que não acabe por apreciar, mas a atitude com que aceito alinhar é muitas das vezes mais de resignação do que propriamente entusiasmo.


terça-feira, 8 de agosto de 2017

coisas de ver #65



Maluco Beleza

Nas últimas semanas, tem sido o Unas e os seus convidados a servirem-me de companhia aos serões que passo em frente à maquineta. Primeiro com uma frequência algo esporádica, agora a um ritmo diário. Cativou-me. É uma boa demonstração do quanto vale a pena embarcar em projectos independentes, pelo gozo e a teima de se ser livre, de se fazer o que a real gana nos dita.
Com uma boa, diversa e já completa lista de convidados, só desejo que este projecto tenha uma longa vida, pelo puro egoísmo do gozo que me anda a dar.
Atenção aos sensíveis e fraquinhos que usam de linguagem sem filtro.

Ficam aqui uns exemplos:











segunda-feira, 7 de agosto de 2017

cromices #151: A minha pessoa, uma influência nefasta para criancinhas desde mil novecentos e troca o passo...



Na recta final do nosso passeio, (meu e do Kiko),  há uma menina na sua bicicleta que nos olha fixamente.
Dirijo-lhe um olá, ao que ela responde com um "quem és?", que é uma questão à qual nunca soube responder objectivamente porque me lembra sempre o "quem sou, de onde venho, para onde vou."
Consegui travar a tempo o comboio do pensamento filosófico: - "Como assim? Sou uma pessoa daqui, que não conheces".
Retruca a menina, inquisitiva sobre o facto de a ter cumprimentado se não a conheço. E a mim pareceu-me desadequado explicar a uma miúda dos seus 9/10 anos que é o meu mecanismo de defesa contra o constrangimento, o desconforto que emana do momento em que duas pessoas se entreolham na rua, (um momento que derivado da relatividade do tempo parece durar eternamente), e decidem por fim prosseguir caminho, ou desviar o olhar, optando por fingir que não deram pela presença do outro.
Não mata, mas mói de tão estranho que é. É-me muito menos doloroso o reflexo de distribuir olás e sorrisos a torto e a direito.
Disse-lhe o fazia por ser educada, e por estarmos numa aldeia.

Passados alguns minutos em que a menina esteve a abraçar o Kiko, aparece uma amiga minha.
A menina não a conhece, mas vocalizou um olá na sua direcção.

Espero que isto de andar a cumprimentar meio mundo, com a justificação de ser por boa educação, não lhe mereça duas nalgadas.


coisas da casa: Shangri-La, a filosofia do bliss e a casa de hóspedes pt.1

(Disclaimer: as fotos utilizadas para ilustrar este texto foram retiradas da internet. Gracias.)



Será mais por vício, ritual de escapismo, ou até mera curiosidade em ver se existe no mundo real a materialização daquilo que considero a casa ideal, o meu Shangri-La,  que me leva, volta e meia, a esmiuçar todo e qualquer site de mediação ou promoção imobiliária que me ocorra.
Lembro-me de um quarto motivo: é que existindo, não se deseja que esta escape. Até pode escapar, mas que seja por um motivo sólido, que por desatenção ou desconhecimento seria realmente um infortúnio.

Até à data nunca me deparei com um anúncio que me indicasse existir a materialização fiel do produto imaginado.

O mercado apresenta-me casarões em lotes minúsculos, e eu procuro exactamente o oposto: uma casa de menor área num lote que se pode considerar de generosas dimensões quando se compara com o que há por aqui.
O mercado apresenta-me casas com uma grande área total mas divididas em minúsculas divisões, que perante as minhas necessidades e gosto se tornam redundantes, inúteis e pouco práticas.

Imagino uma casa térrea, em rústico tradicional português, daquelas com bons ossos, boa estrutura, como aquelas pessoas que atingem o auge da beleza após algumas décadas, num feliz amadurecimento. Duas ou três colheres de sopa de carácter, não mais, para deixar espaço a uma nova e pessoal interpretação. Porque sei que algumas obras são inevitáveis, não gostaria é que isso implicasse uma total reconstrução do espaço. Algumas modificações, melhorias, inclusão daqueles pormenores que entram no campo do gosto pessoal e são necessários para transformar algo em nosso, sim, mas não acredito ter a tolerância e stamina necessárias para passar por todo um processo com início numa demolição.


Um pé direito não abismal, mas algo generoso: dizem que tectos baixos oprimem a psique, que limitam os sonhos e as aspirações, já os demasiado altos dão dores de costas a quem não delega as tarefas domésticas.
Ainda dos tectos, variedade: abóbodas, abobadilhas, lisas ou revestidas a tijolo burro, tectos com vigas de madeira recuperada, sólidas, robustas, e de preferência exalando aquele perfume a cedro que tanto gosto.






Janelas assumidas, mais do que simplesmente buracos que cumprem a função de deixar entrar luz. Uma ou outra com bancos de pedra embutidos como nas casas de antigamente, as chamadas namoradeiras; um par de vitrais que pinte com várias cores a luz que entra. Nada de motivos palacianos, eclesiásticos ou modernistas.
Vestidas com portadas, (quem sabe até daquelas com pequenos corações recortados), e parapeitos com floreiras. Portadas de madeira nua, ou pintadas de qualquer cor que me apeteça. Talvez amarelo luminoso, azul celeste, verde floresta, ainda não me decidi.


Janelas eficientes e estrategicamente colocadas: dos chamados túneis de luz ou janelas cúpula, que permitem a entrada de luz natural pelo telhado, a serem usadas sem parcimónia. Porque permitem aproveitar a luz natural para iluminar todo e qualquer recanto, durante todo o dia sem acréscimo na conta da electricidade. Aliás, até ajuda à poupança, (nas vertentes financeira e ecológica), e permite o luxo de se observar o céu nocturno no conforto de casa.
Obrigatoriamente uma na casa de banho - de vez em quando quererei banhos de imersão iluminados pela lua cheia.




Só porque sim, apetece-me uma janela em frente à sanita: soa-me a felicidade suprema ir à casa de banho enquanto se contempla um cenário de idílicos verdes, mas em total privacidade.
Pode parecer estúpido, mas conhecem a expressão "bliss"? O grande objectivo é mesmo esse: aplicar a filosofia em que se transformam todos os recantos da casa e actos mais básicos da existência em momentos prazeirosos.

Cantarias, aduelas e todos os rodapés em granito bujardado, que eu gosto do aspecto rústico, genuíno, com textura e um aspecto intocado. Se der para reaproveitar pedra antiga, melhor ainda.

O mercado apresenta-me casas de vários andares e mais divisões que aquelas que preciso ou quero, em lotes ridiculamente pequenos e a preços estapafúrdios filhos da especulação, muitas a precisarem ainda de uma modernização ou até renovação total. Nada disso me serve ou tenta.

Não preciso de uma casa enorme - demasiado grande só servirá para dar mais trabalho e despesa, tanto em impostos como em manutenção. Com vários andares corro o risco de não ser apropriada para a velhice - escadarias não são amigas do séniores, e eu faço questão de só mudar, (se mudar), de casa mais uma vez na vida. Também por isso não pode ser "uma" casa, mas "a" casa.
Nem grande, nem demasiado pequena. Aconchegada sem ser acanhada, soa-me bem.

Para duas pessoas e um cão basta um único quarto - mas que seja um bom quarto, com walking closet, (que eu teimo em não dispensar porque entre roupa, sapatos, roupa de cama e atoalhados há muito que arrumar e eu prefiro uma divisão quase espartana, clean, sem armários à vista).
O meu marido, (e há-de haver mais pessoas como ele), revira os olhinhos quando falo de walking closets como se fosse fruto de caganças. Pelo menos até ao momento em que lhe expliquei que a base de um bom walking closet é simplesmente espaço, alguns metros quadrados. Que com alguma criatividade e engenho fica-se com uma coisa bonita e funcional pela fracção do preço de um bom armário, com muito mais arrumação e que se pode ir modificando de acordo com as nossas necessidades.

Um quarto sobretudo com espaço de circulação suficiente em redor da cama para circular confortavelmente uma cadeira de rodas ou qualquer outra geringonça geriátrica, (ou tão simplesmente para andar com o aspirador sem desancar o bicho nas esquinas dos móveis).
Porque desconhecendo o que a vida nos trará, penso na velhice. Não só penso como planeio, tal é a minha natureza.

Gosto que seja a cor ou textura a encher o espaço ao invés de traquitanas, por isso a paleta usada aqui poderia bem ser azul meia-noite com uns toques de verde pavão e caramelo, ou não. Ou um quarto com paredes de pedra. Apetites... Não devíamos ter receio de brincar com a cor e materiais.


As habitações normalmente não estão pensadas para acompanhar as pessoas em todos os estágios da vida e é pena, para além de ser insensato e estúpido. Quero uma casa que nos possa servir bem em todas as idades e condições.

Assim sendo, e seguindo a mesma filosofia, também nos basta uma única casa de banho, juntando num amplo e luminoso espaço um duche de boas dimensões, banheira, e restantes sanitários. Linhas limpas, tudo muito funcional, pragmático e minimalista. Escolha de peças, revestimentos e afins com base na intemporalidade. Preocupação com uma boa circulação de ar para evitar acumulação de vapores e humidades. Escolha de materiais de pavimento e revestimento de grandes proporções para ter o mínimo de juntas possível - há coisas melhores na vida onde gastar o tempo do que andar com uma escovinha a esfregar mil juntas de azulejos.



Cozinha de fusão: rústica em dois terços do seu dna, o resto simples mistura daquilo que se gosta, quer tenha por base o industrial, minimalista, ou qualquer outro estilo.

Não gosto de exaustores, mesmo daqueles que nos cativam pela beleza das suas linhas depuradas e ultra-modernas. Aquele barulho, embora variável de modelo para modelo, mas constante e inevitável tira-me a tesão para cozinhar. Tornar inaudível aquele "plop... plop... plop" que sai da panela, que nos indica que se está a atingir aquele ponto de espessura e depuramento desejado, por aquele "vuuuuuuuuum". Epá, não!
Gostaria de uma chaminé grande, teatral. Larga o suficiente para que debaixo da mesma tenhamos espaço suficiente não só para a placa, como para uma zona de preparação e ter à mão especiarias, colheres de pau e mil outras coisas da arte dos tachos.
Se precisarem de uma referência para perceber melhor do que falo, lembrem-se das chaminés das cozinhas palacianas / conventuais ou das antigas casas pombalinas.
Acho-as lindas e só de as ver dá-me vontade de ir para a beira do fogão!



Uma ilha nas mesmas proporções, com tampo em mármore branco. Espaço onde qualquer receita poderá ser confeccionada a duas, quatro ou muitas mãos.
Base de armários em alvenaria, portas que passam despercebidas.
Um par de armários altos -  louceiro e despenseiro encastrados.


Abdicar dos tradicionais armários de cozinha de parede em nome da harmonia. Demasiados estímulos ao nível dos olhos, especialmente quando desinteressantes esteticamente, dão a sensação de poluição visual, de claustrofobia, de se estar rodeado de tralha e de que o espaço se comprime.
Preferia usar esse espaço para mais janelas, um pequeno jardim vertical de aromáticas, um par de objectos decorativos como umas cerâmicas Bordallo Pinheiro ou aqueles potes antigos de farmácia...

Comunicação com a sala através de uma grande porta de correr tipo celeiro, dando a opção de se ter um todo um espaço comum, ou divisões separadas conforme a necessidade, vontade, momento.



As refeições tomadas sobre uma mesa com um tampo feito de um disco de árvore, absolutamente perfeito na sua natural imperfeição. Iluminada por lâmpadas Edison.



Frigorífico, máquinas de lavar, secar, detergentes, objectos vários de limpeza, e afins tudo encontra o seu lugar numa divisão adjacente à cozinha, - um misto de despensa, com lavandaria, com mud room - que por sua vez tem a sua porta para o exterior, e seria o local perfeito de entrada em casa nos dias chuvosos, quando se vem com sapatos sujos, ou acompanhados de um cão que precise urgentemente de um banho.


Falar da que seria a minha casa ideal é acrescentar-lhe obrigatoriamente uma torre. Com janelas em toda a volta para que se possa acompanhar toda a viagem do sol, do nascer ao ocaso. Para ver as estrelas, com ou sem telescópio.


Com varanda em seu redor, e uma porta de acesso a um pequeno terraço. Voltando à filosofia do "bliss", porque não perder um bocadinho a cabeça ,e colocar lá um jacuzzi para banhos de bolhinhas ao pôr do sol?
 

Tentar praticar ao máximo a autonomia e eficiência, a começar pela energética, através de painéis solares fotovoltaicos, uso de leds, candeeiros solares, aparelhos eficientes...
Usar de um bom número de boas práticas ecológicas. Ter um contentor de compostagem onde os resíduos orgânicos possam ser reaproveitados como fertilizante natural. Quando falo de resíduos falo das sobras da cozinha. Acho que não me estou a ver a usar uma casa de banho seca.
Em matérias de casa de banho sou muito cocó - é o lado virginiano picuínhas: de tal forma que nem me imagino confortável numa casa desligada da rede de esgotos, com fossa séptica. É bom cultivar o desapego, e parece-me muito mau feng shui viver paredes meias com um contentor de merdum. Nheca, nheca, nheca!


(continua...)