segunda-feira, 7 de agosto de 2017

cromices #151: A minha pessoa, uma influência nefasta para criancinhas desde mil novecentos e troca o passo...



Na recta final do nosso passeio, (meu e do Kiko),  há uma menina na sua bicicleta que nos olha fixamente.
Dirijo-lhe um olá, ao que ela responde com um "quem és?", que é uma questão à qual nunca soube responder objectivamente porque me lembra sempre o "quem sou, de onde venho, para onde vou."
Consegui travar a tempo o comboio do pensamento filosófico: - "Como assim? Sou uma pessoa daqui, que não conheces".
Retruca a menina, inquisitiva sobre o facto de a ter cumprimentado se não a conheço. E a mim pareceu-me desadequado explicar a uma miúda dos seus 9/10 anos que é o meu mecanismo de defesa contra o constrangimento, o desconforto que emana do momento em que duas pessoas se entreolham na rua, (um momento que derivado da relatividade do tempo parece durar eternamente), e decidem por fim prosseguir caminho, ou desviar o olhar, optando por fingir que não deram pela presença do outro.
Não mata, mas mói de tão estranho que é. É-me muito menos doloroso o reflexo de distribuir olás e sorrisos a torto e a direito.
Disse-lhe o fazia por ser educada, e por estarmos numa aldeia.

Passados alguns minutos em que a menina esteve a abraçar o Kiko, aparece uma amiga minha.
A menina não a conhece, mas vocalizou um olá na sua direcção.

Espero que isto de andar a cumprimentar meio mundo, com a justificação de ser por boa educação, não lhe mereça duas nalgadas.