quarta-feira, 9 de agosto de 2017

cromices #152: Do não sair de casa...



Em criança era muito "caseira". Lembro-me que por vezes os meus pais tinham que insistir comigo para sair de casa, nem que fosse só até à praceta para brincar com os miúdos da vizinhança.

Com a mudança de idade, especificamente quando estava em plena adolescência e nos inícios da idade adulta, a situação reverteu-se completamente. As queixas eram sobre o quão pouco parava em casa. E eu encolhia os ombros naquela do: "Afinal em que ficamos? Decidam-se!"

O meu marido costumava queixar-se que eu andava sempre a melgá-lo para sair, muitas vezes com a desculpa de ir beber um café algures, por vezes tarde e a más horas. Para me dissuadir, um dia apareceu com uma máquina de café.

Agora queixa-se que nunca quero ir a lado nenhum, que não quero sair de casa.

Confesso que desde que o Kiko entrou nas nossas vidas voltei a dar muito valor aos momentos do dia em que posso estar em casa. Porque, em minha defesa, há que dizer que na verdade saio muito de casa.
Lembro que tecnicamente, basta estar-se do lado de lá da porta para ser considerado como tal.

Ainda hoje, que me calhou a volta matinal do Kiko, cheguei às 8h da manhã com 4,5 km de caminhada feitos.
Quando for  ao supermercado aqui do burgo, mais 3km. Se incluir as voltinhas quotidianas pelas lojinhas de comércio tradicional e serviços, mais uns 3 ou 4, e é porque tenho tudo aqui ao lado.
Mais a voltinha pós almoço do miúdo, que nunca é menor que mais outros 3km.

Portanto, para alguém que supostamente não sai de casa, num dia normal, até às 18h, já conta com cerca de 14 km feitos. Excluindo todos os passinhos que damos dentro das lojas, e dentro de casa, que pensando que não eram mais uns pózinhos.

Junte-se um dos dias em que faço bingo por ter o cartão totalmente cheio, juro que não é difícil atingir ou superar a marca dos 20km. A saúde e forma física agradecem, mas se me querem convencer a sair (mais) de casa o truque reside em atraírem-me com programas que metam "pés pró ar" em cenários bonitos, muito dolce far niente, e comida.
Para alguém com a minha rotina convites para ir caminhar, ou exercer outra qualquer actividade que implique esforço físico, ou que seja basicamente passear o cão num cenário diferente, é meh.

Não é que não acabe por apreciar, mas a atitude com que aceito alinhar é muitas das vezes mais de resignação do que propriamente entusiasmo.