quinta-feira, 21 de setembro de 2017

cromices #154: Um ritual de claridade



Não sei viver sem música. Sempre senti a necessidade de acompanhar todos os momentos com uma banda sonora, sem esquecer de dar alguns momentos ao silêncio, já que este é em si um bálsamo, um ritual de higiene para a mente, tal como o duche é para o corpo.

Nada disto é pouco usual ou peculiar. Acho que a maioria das pessoas gosta de ouvir música em variadíssimas ocasiões, e até a usa como uma ferramenta auxiliar enquanto trabalha, enquanto descontrai, e em outros momentos.

Talvez o que mude de pessoa para pessoa seja a escolha de repertório, o que cada um ouve em cada situação.

Sendo algo que já que fiz inúmeras vezes, mas em piloto automático, ontem apercebi-me conscientemente que quando quero/ preciso entrar num estado de acuidade mental, essencial à análise e resolução de problemas objectivos, a minha escolha recai no heavy metal. E nada como começar com um dos hinos de guerra dos Manowar, é que lá por ser uma batalha travada no campo do intelectual e do burocrático, não deixa de ser uma.