quarta-feira, 11 de junho de 2014

Hoje não.





Não estou ausente. Estou aqui. Macambúzia e muda, até nos dedos.


Dia 6, a Preta, a cadela da comunidade, morreu.
Eram muitos os que lhe tinham estima, que a acarinhavam, que lhe matavam a fome e a sede, que agora lhe sentem a falta.


Um dia conto-vos mais sobre a Preta. Hoje não. Hoje sou um violino triste, e os violinos não escrevem.