sábado, 27 de setembro de 2014

coisas que gosto #15: Hidroponia





Sou uma pessoa curiosa por natureza, questiono-me sobre como o mundo funciona e vou à procura das respostas.


Um dos rituais que adoptei há muito tempo, e que faço questão de manter, consiste em aprender uma coisa nova todos os dias. Faz parte da minha rotina diária tal qual como lavar os dentes, beber um copo de água ao acordar, ou qualquer um das dezenas de gestos automáticos e essenciais do dia-a-dia.


É que eu não consigo viver sem pensar, sem fabricar ideias. Ao longo dos anos fui acumulando ideias em cadernos e mais cadernos, (sim, sou do século passado, e ainda conservo o hábito de escrever à mão), que hoje se amontoam numa pilha de dimensão respeitável. Esse monte de escritos e rabiscos é o meu legado.
Em suma, o conhecimento é o combustível das ideias.


O que é que isto tem a ver com Hidroponia? Tudo!
Sem curiosidade nunca teria descoberto este tema, pelo qual me apaixonei.




De uma forma bastante concisa e simplista podemos definir a Hidroponia como a técnica de cultivar plantas sem solo.
As plantas são colocadas em canais ou recipientes, (muitas vezes em calhas de pvc), onde circula uma solução específica de água e um cocktail de todos os nutrientes que estas necessitam.


As vantagens em relação à Agricultura tradicional são várias:


- O solo não é homogéneo, existem no mesmo terreno zonas com mais nutrientes e outras com menos.  Na Hidroponia todas as plantas têm igual acesso aos nutrientes necessários ao seu desenvolvimento. Como consequência temos produtos mais uniformes, maiores e até mais robustos.


- As plantas cultivadas por meio hidropónico estão sujeitas a menos pragas, visto que geralmente estas têm como origem, o solo.


- Grande poupança de recursos. Em termos de água falamos de uma poupança em torno dos 50 a 70%. Em termos de nutrientes, idem, visto que é tudo medido e usado rigorosamente. Não há desperdício.
Um produtor português hidropónico de morangos avança que, em vez de gastar 60000 litros de água na rega de um hectare, bastam-lhe 2500 litros, e produz durante todo o ano. Fenomenal, não?!
(Podem ler mais aqui ).


- Maior produção, durante um período mais alargado. Há quem diga que a Hidroponia "rende três vezes mais". Isto porque não se está dependente da qualidade do solo e do clima como na Agricultura tradicional.


- Não há necessidade de solo, por isso qualquer zona, independentemente da localização ou dimensão está apta para a prática de Hidroponia. Estamos a falar de poder cultivar alimentos em varandas, terraços, em zonas onde o chão seja cimento, em locais do mundo onde nunca se imaginou que a agricultura fosse possível.


- O trabalho em redor de uma cultura hidropónica é uma fracção do necessário na Agricultura tradicional. Para começar não é necessária a dura tarefa de preparar o solo, nem nada relacionado.
Na Hidroponia grande parte do trabalho consiste em controlar o sistema automático de rega e a saúde das plantas, garantir que a solução de nutrientes está perfeitamente equilibrada. Mesmo a colheita é exponencialmente mais fácil e menos trabalhosa, a começar pelo facto que as calhas onde as plantas estão, se encontram ao nível da cintura.
Isto significa que pouco mais de meia dúzia de pessoas são suficientes para uma área de cultivo enorme.


Só para que tenham a noção deixo aqui o link, (aqui ), de uma notícia que nos fala sobre como graças à Hidroponia, agricultores conseguiram, com sucesso, produzir hortaliças com água dessalinizada no meio do deserto mais árido do mundo!






Estou mesmo apaixonada por este conceito! Acredito que a Hidroponia é a solução para erradicar de uma vez por todas a fome no mundo.
Eu que sempre defendi a tese que todos nós deveriamos cultivar pelo menos parte dos nossos alimentos, vejo aqui uma forma possível de traduzir essa ideia para a realidade, quer habitemos no campo ou na cidade.


Além disso, se alguém me perguntar, enquanto profissional de marketing, sobre uma ideia de negócio viável eu sugiro, com todo o entusiasmo e ênfase, a Hidroponia.