terça-feira, 23 de agosto de 2016

cromices #135: Eu egoísta me confesso.


Há o tripadvisor, o zomato, e outros mil que existem para partilhar informações, críticas e comentários sobre estabelecimentos vários, de restaurantes a hotéis.
A sua utilidade é inegável. Também me sirvo destas ferramentas quando preciso de alguma informação sobre um estabelecimento, quer o conheça ou não, desde a morada, ao horário, ao menu, ou para descobrir novas opções.

No entanto, são sites que embora visite com frequência, não tenho por hábito utilizar enquanto comentadora. Imagino-me capaz de o fazer com uma crítica construtiva, mas refreio-me de o fazer no que toca a deixar elogios aos sítios que realmente gosto.
Isto porque, em primeiro lugar, gosto de elogiar pessoalmente e na hora. O segundo e maior motivo é porque sou egoísta: quero que os lugares que gosto se mantenham inalterados, o suficiente para continuar a gostar deles.

É uma daquelas situações que me deixam dividida: se por um lado é claro que desejo prosperidade e sucesso nos negócios a quem me recebe bem, por outro já tive, como muito boa gente, experiências que demonstraram que o aumento repentino desse mesmo sucesso em conjunto com um enorme afluxo de clientes, transforma irremediavelmente os negócios, e raramente para melhor.

Ainda ontem li o comentário de um amigo numa rede social sobre como estes sites dão cabo dos restaurantes bons e baratos em Lisboa.

Passei por uma experiência semelhante com aquele que foi, durante algum tempo, o nosso pub favorito. Até ser descoberto pelas massas era para nós o sítio perfeito, aquele que encaixava sem mácula nas nossas preferências: decoração gira e temática, calmo, com um clientela sossegada e moderada com uma idade média na ordem dos intas, atendimento simpático, num local cheio de verde e história.
Depois ficou na moda. Os clientes outrora moderados, que beberricavam qualquer coisa enquanto tinham conversas interessantes, deram lugar a gente barulhenta e excessiva como em qualquer outro bar. E se tal é bom para a contabilidade do negócio, também significou uma enorme mudança na sua personalidade e no atendimento, o que fez com que perdesse a vontade de lá ir com a frequência de antes.

Para mim foi uma lição: nunca revelarei os meus locais favoritos.