sábado, 7 de janeiro de 2017

coisas sobre mim: Das resoluções de ano novo



Não guardo a tomada de resoluções para o ano novo. Sou mais de improvisos.

Não há quem me conheça tão bem quanto eu, portanto sei melhor que ninguém que não é por ditar uma lista de pontos, apelidá-los de algo tão sério quanto resolução, que me fará concretizá-los. Pelo contrário: sei tão bem o que a casa gasta, que fazê-lo seria convidar o meu lado rebelde a sabotar aqueles propósitos, só porque sim. Afinal quem sou eu para me dizer o que fazer?! Ou seja lá o motivo que leva os rebeldes a serem-no.

Também faço resoluções, não têm é hora marcada para acontecer. Aparecem. Entenda-se por estas alterações, grandes ou pequenas, que começam no pensamento e derivam na acção, motivadas por um qualquer desejo. É comum e bastante popular o desejo de se querer ser simplesmente melhor.

Há mais ou menos década e meia, adoptei como resolução que iria sorrir mais, sorrir muito, sorrir sempre, independentemente de receber esses sorrisos de volta. Hoje, essa resolução é-me intrínseca, faz parte mim, e nem me imagino a conseguir ser de outra maneira.

Mais ou menos na mesma altura decidi igualmente que iria tomar atenção nos pequenos detalhes do mundo, procurar beleza nas pequenas coisas, reparar em flores, pequenos pormenores que nos passam geralmente despercebidos. Isso deu-me combustível para ultrapassar uma das épocas mentalmente mais desafiantes e complicadas que já tive. E hoje é uma das minhas filosofias de vida.

Também passei a dizer mais vezes "amo-te". Não precisa ser literalmente um "amo-te", pode ser outra qualquer expressão, mesmo que meio tonta mas que o expresse. Faço-o todas as manhãs quando o marido sai para trabalhar, por exemplo.

Este ano, após ter abordado uns vizinhos sobre algo que me incomodava grandemente, surgiu mais uma. Na minha mente tinha imaginado um diálogo racional e sereno. Saiu uma discussão emocional. Não gostei.
Como nunca mais quero perder a serenidade, independentemente do que se passa do lado do receptor, então decidi, que quando estou "naquela semana" em que por questões sobretudo biológicas e hormonais sou toda emoção e temperamento, então basicamente vou fugir de diálogos, debates, negócios, reuniões e etc durante essa altura.
Estou resoluta.